terça-feira, 4 de maio de 2010

Mais um post que vai ofender muita gente

A Nossa Senhora de Fátima perdeu uma boa oportunidade para fazer um milagre.

.

5 comentários:

What disse...

explain?

Paulo39 disse...

@What

Existe um link nas palavras do artigo. Segues esse link para uma notícia.

Renato, creio que é de mau gosto aproveitar estas situações para criticar a Igreja. Simplesmente respeita a família dos que morreram. Não ironizes com a morte, se isso alguma vez te acontecesse (todos esperamos que não) não irias gostar.

Renato Rocha disse...

Paulo:

Não critiquei a Igreja, mas sim a Nossa Senhora de Fátima (no caso de existir). De nenhuma forma desrespeitei a família dos que morreram. Eu não ironizei com a MORTE, ironizei com o facto de duas pessoas estarem mortas por caminharem às três da manhã numa auto-estrada escura para ir a Fátima pedir ou dar graças por um milagre. Se isso não te soa engraçado, então se calhar eu é que sou um insensível sem coração.

Paulo39 disse...

"Não critiquei a Igreja, mas sim a Nossa Senhora de Fátima (no caso de existir)."

O assunto é o mesmo, portanto o teu argumento é ridículo. Mas se for só por isso, rearranjo o que disse no 1º comentário.

"De nenhuma forma desrespeitei a família dos que morreram."

Ai não?! Então mostra-lhes o teu artigo e pergunta-lhes o que é que eles sentiram...
Só podes estar a brincar, mesmo.

"Eu não ironizei com a MORTE, ironizei com o facto de duas pessoas estarem mortas..."

No comments!!

"Se isso não te soa engraçado, então se calhar eu é que sou um insensível sem coração."

Ah, então quer dizer que a ti te soa engraçado que 2 pessoas tenham morrido num acidente: uma rapariga grávida de 22 anos e um pai de 4 filhos.

Mede bem o que dizes. Antes de disparares em todas as direcções, pensa no que vais dizer.
Há formas de expressar uma opinião sem desrespeitar os sentimentos das pessoas e sem as insultar.

Renato Rocha disse...

O meu argumento não é ridículo. Não referi a IGREJA, mas sim uma das personagens que é levada a sério por essa Igreja. Uma coisa é a divindade, e outra coisa é aquilo que as pessoas fazem com essa divindade (igreja).

Quando ao “desrespeito” pela família, gostaria de te perguntar se conheces algum dos familiares das vítimas, e este te disse pessoalmente que se sentiu ofendido. Por essa ordem de ideias teria de me sentir mal ao escrever o que quer que fosse ofender ou chatear alguém. Conheces-me bem para saberes que isso não me cabe na cabeça.

Em relação aos teus últimos pontos, em que retiraste do contexto citações minhas, sugiro que demonstres mais honestidade da próxima vez. O que eu escrevi foi: Eu não ironizei com a MORTE, ironizei com o facto de duas pessoas estarem mortas por caminharem às três da manhã numa auto-estrada escura para ir a Fátima pedir ou dar graças por um milagre.” Não é a mesma coisa que TU citaste.

No teu último ponto voltaste a fazer uma falácia chamada “homem de palha”. É quando um dos lados na conversa representa de forma errada ou distorcida a posição do outro. Escreveste “Ah, então quer dizer que a ti te soa engraçado que 2 pessoas tenham morrido num acidente: uma rapariga grávida de 22 anos e um pai de 4 filhos.”

Mais uma vez, não foi isso que eu disse. Da mesma forma que me sugeres para medir as palavras, o que é legítimo, a ti sugiro que não retires de contexto ou representes erradamente o que eu disse.