quinta-feira, 19 de novembro de 2009

Um fígado para um idiota

Um jovem de 16 anos, com certeza num momento de iluminação (e fome), ingeriu um cogumelo selvagem. Surpreendentemente, o cogumelo era venenoso. Ele e o pai deram entrada no hospital depois dos primeiros sintomas se terem desenvolvido.

Isto foi há dias. Entretanto o pai morreu, porque uma das consequências de comer um cogumelo venenoso daquela espécie é uma paragem de fígado. O filho, o tal jovem de 16 anos, lá se foi aguentando. Recentemente recebeu um novo fígado, e depois do transplante o seu estado passou de moribundo para estável.

O rapaz deve ser bastante ignorante, ou então não queria contrariar o pai; o que é certo é que (não gosto de generalizações, mas tenho de insistir nesta) toda a gente sabe que comer cogumelos silvestres, apanhados no bosque, não pode ter consequências levezinhas. Os cogumelos venenosos não são ovos estragados: têm consequências severas como, oh, sei lá, paragem do funcionamento de um órgão vital. O que passava pela cabeça de quem teve a brilhante ideia de ir aos cogumelos, “Ah, este eu sei que não é venenoso, tem aqui estas pintas roxas em cima, é tal e qual aqueles que se vêem nas lojas!”, e comê-los com a tranquilidade de quem apanhou umas clementinas na árvore da vizinha?

O jovem teve sorte, no entanto. Ficou sem pai, mas ganhou um novo fígado. Neste caso não houve listas de espera, porque provavelmente toda a gente ficou com imensa pena do miúdo que estava a morrer. Não quero parecer exagerado nem insensível, mas gostaria de saber até que ponto morre gente nas listas de espera para transplantes deste tipo. Pessoas com doenças a sério, mortais ou perigosas, que não vão ao bosque colher cogumelos para o almoço.

.

3 comentários:

Xuxu disse...

E os gajos sabiam que os cogumelos eram venenosos pa!

Paulo39 disse...

Não fales do que não sabes, nomeadamente em relação à doação de órgãos.
O sistema está feito e pensado correctamente e ninguém em risco de vida ficou sem o "fígado" por causa do rapaz. Ele entrou no nível de super-urgência nacional (tem um nome deste género), o que significa que é prioritário em relação àquelas pessoas que precisam dum novo fígado, mas que não morrem se o não receberem no dia seguinte.
Ao contrário do que seria de esperar, de facto existem imensas pessoas que pensam que conhecem os cogumelos e os vão apanhar e comer. Infelizmente é uma péssima prática, mas que é bastante comum. Devia investir-se mais em publicar informação sobre os tipos de cogumelos do que condenar as pessoas que fazem isso.
Coitado do rapaz.

Renato Rocha disse...

Concordo com o que disseste sobre a doação de órgãos, só a referi como desabafo. Mas sinceramente não tenho pena absolutamente nenhuma nem do pai nem do rapaz, da mesma forma que não tenho pena de um tipo que conduza alcoolizado a 200 KM/h numa auto-estrada e vá por uma ravina abaixo.