terça-feira, 6 de julho de 2010

Eu não sou ateu, sou agnóstico

Muita gente prefere intitular-se de “agnóstico” quando o assunto das religiões e de deuses vem à baila em forma de pergunta ou no contexto de uma conversa. Muitos dos agnósticos dizem que são agnósticos sem saber muito bem o que isso significa, porque têm receio de fazer má figura ao dizerem que são na verdade ateus; ou, outra possibilidade, acham que o agnosticismo é uma espécie de meio-termo simpático, um oásis retórico que desperta a tolerância dos dois lados e dá ao agnóstico o estatuto do gajo calmo e razoável que prefere manter-se longe de confusões.

Na verdade, ser-se agnóstico não é estar a meio caminho entre teísta e ateu, ao contrário do que a generalidade das pessoas pensa. Um teísta ou ateu é aquele que, respectivamente, acredita num Deus e não acredita em Deus. Esta posição, repare-se, tem que ver com aquilo em que a pessoa ACREDITA. O agnóstico, por seu lado (e se utilizar a palavra no seu verdadeiro sentido), é aquele que não tem a certeza daquilo que sabe, ou que tem dúvidas. Agnóstico, note-se, é o oposto de gnóstico, “aquele que tem a certeza ou que sabe” (vem do grego “conhecimento”). A distinção está logo à vista: enquanto teísta e ateu são posições em relação à crença ou falta dela no divino, o gnosticismo e agnosticismo têm que ver com o que sabemos ou não.

Assim, um agnóstico pode muito bem ser ateu (eu considero-me um agnóstico ateu), porque pode ser alguém que NÃO ACREDITA em Deus mas que não afirma uma certeza absoluta naquilo que julga ou não saber. Por outras palavras, eu não tenho a certeza absoluta que a minha posição é a correcta; e isso é um pouco mais modesto do que a maioria dos agnósticos acha que um ateu defende. Muita gente (desculpem-me as generalizações, mas é verdade) acha que ser ateu significa que se diz que Deus não existe, o que é, claro, uma posição bastante exagerada e até “dogmática”. Apesar disso, é possível afirmar que não acredito em Deus e que sei que estou correcto: é o gnóstico ateu.

Agnóstico teísta e gnóstico teísta são as posições que faltam, e está-se mesmo a ver onde vão parar. Um agnóstico teísta é aquele que acredita em Deus mas que não tem a certeza da existência do mesmo, enquanto que um gnóstico teísta não só acredita como afirma ter a certeza que Deus existe.

Quando pergunto a alguém se acreditam e me respondem “sou agnóstico”, dá-me um calafrio porque os próprios não percebem que não responderam à pergunta. Seria como perguntar a alguém se este croquete está salgado ou insonso, e responderem-me que está doce. Esta distinção que os agnósticos fazem dos ateus, desmarcando-se daquilo que acham ser uma posição radicalíssima, faz com que (ou pelo menos ajuda) muita gente fuja à palavra “ateísmo” e esta ganhe uma conotação negativa quando, na verdade, é uma posição completamente compatível com o próprio agnosticismo.

Podemos andar a brincar com as palavras por uma questão de rigor, o que é sempre bem vindo quando se trata de posições perante uma questão tão complicada. Da mesma forma que há muitos teístas que se calhar não sabiam que eram agnósticos, há muitos agnósticos que não sabiam que eram ateus. Podem não admiti-lo, mas a partir do momento (certezas ou incertezas à parte) que não acreditam num Deus, são ateus. Não deixa de ser curioso que alguém decida escolher uma etiqueta como esta sem saber que, em vez de responder à questão, está na verdade a desviá-la. Aos agnósticos que me lêem, parabéns: muitos de vós serão com certeza ateus. Não há vergonha nisso, está bem?


.

6 comentários:

Paulo39 disse...

Bom, vamos por partes.

Definições:
Concordo com a definição que deste de ATEU ou ATEÍSTA, que é aquele que afirma a não existência de Deus(es).
Obviamente que o TEÍSTA é aquele que afirma a existência de Deus(es), não necessariamente um só Deus.

Não uso o termo ACREDITAR porque julgo que é em parte por aí que mais tarde vais confundir as coisas.

Em relação ao AGNÓSTICO, e tal como disseste, é aquele que admite que não está em condições de afirmar a existência ou a não existência de Deus(es).
O GNÓSTICO é, portanto, aquele que se julga em condições de afirmar a existência ou não-existência de Deus(es).

Falta só uma uma definição que acho que é importante: Deus(es)
Deus ou Deuses são entidades humanizadas OU NÃO que podem apresentar-se sob diversas formas e que, geralmente, gozam de poderes sobrenaturais.

Acontece que tu (Renato) tendes muito a tratar Deus tendo em mente o Deus cristão. E portanto, muitas vezes, os teus raciocínios levam-te a tentar negar esse Deus, mas quando extrapolados para outras formas de Deus, podem perder sentido.

Concordam com estas definições? Se sim, podem passar ao resto do meu comentário, senão, apresentem-me definições que considerem mais correctas.

Bom, após as definições concluí-se facilmente que se alguém é AGNÓSTICO, então essa pessoa não poderá ser nem TEÍSTA nem ATEÍSTA/ATEU, decorrente das próprias definições.
Isto é, se eu sou AGNÓSTICO é porque não me sinto capaz de afirmar se existe ou não existe um ou mais Deuses, logo não poderei ser ATEU (porque não afirmo a não existência), nem posso ser TEÍSTA (porque não afirmo a existência).
O mesmo é dizer que ser TEÍSTA ou ATEÍSTA/ATEU são duas formas (opostas) de gnosticismo. Portanto, tanto os teístas como os ateus são gnósticos.

"Na verdade, ser-se agnóstico não é estar a meio caminho entre teísta e ateu..." Na verdade, até é mais ou menos isso, visto que é não ser nem uma coisa nem outra.

"Um teísta ou ateu é aquele que, respectivamente, acredita num Deus e não acredita em Deus. Esta posição, repare-se, tem que ver com aquilo em que a pessoa ACREDITA. O agnóstico, por seu lado (e se utilizar a palavra no seu verdadeiro sentido), é aquele que não tem a certeza daquilo que sabe, ou que tem dúvidas." Tu (Renato) baseaste todo o teu argumento numa pequena omissão que fizeste nesta frase. É que ser TEÍSTA ou ATEÍSTA tem que ver com aquilo em que a pessoa ACREDITA COM CONVICÇÃO E SEM DÚVIDAS. Dessa forma, permitiste que a tua definição de TEÍSTA ou ATEÍSTA não excluíssem os AGNÓSTICOS.

No meu caso, eu não me sinto capaz de explicar o mundo em que vivo sem a presença de Deus, no entanto também não me sinto capaz de afirmar que Deus existe, muito menos demonstrá-lo. Isso não faz de mim nem TEÍSTA nem ATEU. Eu sou um exemplo de Agnosticismo.

Paulo39 disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Renato Rocha disse...

Paulo:
Em relação à tua observação sobre a definição de Deus, não percebo o que o Deus cristão tem que ver com o assunto. As definições de ateu, agnósito, teísta ou gnóstico são as mesmas quer estejamos presente o Deus Bíblico, Alá, Zeus ou Odin. Da mesma forma, considero-me um agnóstico ateu em relação a todos esses deuses, porque não acredito neles e porque não garanto que sou capaz de afirmar com toda a certeza que eles não existem. Agora, se a tua definição de Deus for “aberta” ao ponto de considerares que, nalgumas culturas, o próprio sol é um Deus, então claro que em relação a esse Deus eu sou um gnóstico teísta. No entanto, parti do princípio (implícito, mas que deveria ter justificado ou pelo menos referido no post, tens razão) que um deus é um criador ou personagem divina e sobrenatural, simplesmente porque a grande maioria dos deuses em quase todas as religiões mono ou politeístas seguem este tipo de definição.

Ultrapassadas as definições, cometes um pequeno erro: dizes que é impossível ser-se agnóstico e teísta ou ateu ao mesmo tempo, por causa das definições das palavras. Ora, as definições que tu apresentaste, e erradamente identificaste como sendo aquelas que eu próprio apresentei no post, estão erradas. Um ateu não “afirma que Deus não existe”, e um teísta não “afirma que Deus existe”. Ateu e teísta tem que ver com ACREDITAR, e não com CONHECIMENTO. Se eu não acreditar em fantasmas estarei a afirmar sem sombra de dúvidas que os fantasmas não existem?

Assim, agnóstico não é um meio termo entre teísta ou ateu, porque teísta ou ateu é uma dicotomia. Tu não podes não ser nenhum dos dois, por mais que detestes as palavras. Se eu te perguntar “Acreditas que o deus X existe?” e se responderes SIM, és teísta (em relação a esse deus X). QUALQUER OUTRA RESPOSTA, incluindo NÃO ou NÃO SEI, faz de ti um ateu, porque não acreditas que esse Deus existe. Não podes acreditar e não acreditar ao mesmo tempo.


(continua)

Renato Rocha disse...
Este comentário foi removido por um gestor do blogue.
Renato Rocha disse...
Este comentário foi removido por um gestor do blogue.
Renato Rocha disse...

E aqui entram o agnóstico e o gnóstico, porque enquanto ateu e teísta te permitem fazer afirmações em relação àquilo em que ACREDITAS, agnóstico e gnóstico explicam a tua posição em relação à “certeza” que tens em relação a essa posição; por outras palavras, se SABES ou não, com certeza, que estás certo. Assim, considero-me um agnóstico ateu porque não acredito em Deus mas (e aqui entra a confusão que fizeste com a definição de ateu) NÃO AFIRMO QUE DEUS NÃO EXISTE COM CERTEZA (agnóstico). Afirmar com certeza que Deus não existe faria de mim um GNÓSTICO ateu.

Agora, se acredito ou não “com convicção ou sem dúvidas”, como referiste e muito bem, esse meu sentimento não está implícito no “ateu”, mas sim no “agnóstico”, porque o agnóstico é que é a minha forma de dizer “eu não acredito MAS não tenho a certeza que a minha convicção é absolutamente verdadeira”. Eu não afirmo, com total certeza na minha posição, que Deus não existe. O gnóstico e agnóstico estão lá para esclarecer a “quantidade” de certeza que tenho na minha posição.

Em relação à tua posição pessoal, como disse no post, podes muito bem ser um exemplo de agnosticismo. Mas se não respondes positivamente à pergunta “acreditas em Deus?”, és também um ateu. Pelos vistos expliquei-me muitíssimo mal no post, porque a mensagem não passou. A verdade é essa: podes muito bem ser agnóstico, mas isso não responde à pergunta “acreditas em Deus’”. Para isso, tens de te declarar ateu ou teísta. Agnóstico ou gnóstico é uma coisa diferente.

E em relação a explicares ou não o mundo sem a presença de Deus, isso significa que não és capaz de explicar o mundo sem a presença de Deus? Em que sentido?

Deixo-te uma página onde esta questão das definições é tratada de uma forma provavelmente muito mais clara do que a minha: http://wiki.ironchariots.org/index.php?title=Atheist_vs._agnostic